Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

Augusto dos Santos Abranches

Abranches 1 1 600 839
07 Mai 2021

58 anos sobre a sua morte

Augusto dos Santos Abranches foi poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta, crítico, jornalista, artista plástico, livreiro, editor, tendo o seu percurso singular sido fortemente pautado pela prática e estímulo do intercâmbio cultural no mundo lusófono.

Nasceu em Paul, Covilhã, a 4 de março de 1913. Em 1935 funda em Coimbra a Livraria-Editora Portugália, que virá a tornar-se ponto de encontro dos fundadores do neorrealismo. Em 1939 aparece como “editor” da revista Altitude, onde faz a sua estreia poética (3 poemas). Em 1942 publica o seu primeiro livro, Poemas de Hoje e um ano mais tarde a sua peça de teatro As Várias Faces e o segundo livro de poemas, Tufão, inspirado pela Guerra. É um dos fundadores da revista Vértice.

Mais tarde parte para Moçambique onde, em 1944, se torna funcionário da Livraria Minerva, que editará o seu estudo Contorno de Eça e começa a colaborar assiduamente e a dirigir suplementos culturais na imprensa moçambicana e a praticar e estimular o intercâmbio cultural no mundo lusófilo.

Em 1955 segue para Brasil, onde se emprega como desenhador de uma fábrica de fornos e estufas e mais tarde na paulistana Livraria Internacional. Em 1958 publica no Rio de Janeiro o estudo Um Retrato de Marques Rebelo. Torna-se funcionário propagandista itinerante da editora e livraria Francisco Alves.

Em 1962 é emitido pela PIDE um “pedido de captura” do “nacional Augusto dos Santos Abranches, com residência no Brasil”, o que o obriga, embora já com graves problemas de saúde, a transitar por empregos precários.

Morre a 7 de maio de 1963.

 

Abranches_2 -Em Moçambique com o irmão e o filho(62)CAT105

Em Moçambique, com o irmão e o filho.

 

Abranches_21ca-PT-TT-PIDE-3188SR-61-NT3126_m0001

Pedido de captura da PIDE, 1962.

 

Abranches_3 Altitude nº1, 1939

Altitude, nº1, 1939.

 

Abranches_4 Poemas de hoje, 1942

 

Poemas de Hoje, 1942.

 

Abranches_5 As várias faces, 1943

As várias faces, 1943 .

 

Abranches_6 Tufão, 1943

Tufão, 1943.

 

No âmbito do centenário do seu nascimento, o Museu do Neo-Realismo prestou homenagem a Augusto dos Santos Abranches, com a organização da exposição Augusto dos Santos Abranches: escritor e agitador cultural da lusofonia, com curadoria de Arnaldo Saraiva, e edição do respetivo catálogo.

 

Abranches_7 Imagem da exposição, retrato de ASA de Alice mealha, 1948

Imagem da exposição Augusto dos Santos Abranches: escritor e agitador cultural da lusofonia, Museu do Neo-Realismo, 2014.

“Augusto dos Santos Abranches deixou poucos e breves livros; mas em jornais e revistas de três continentes dispersou colaboração que, com os inéditos que dele se guardam, daria para vários volumes; o espantoso é que nunca ninguém lhe tenha dedicado uma tese ou um estudo de fôlego, que merece. E mesmo que se relativize a sua qualidade de poeta, ficcionista, dramaturgo, ensaísta, cronista, ou de artista plástico, nunca poderá esquecer-se o seu empenho de intelectual no combate antifascista e o seu papel de animador e agitador cultural em Portugal, em Moçambique e no Brasil. Como também não poderá esquecer-se que ele foi sempre um homem cordial, vertical e solidário.”

(Arnaldo Saraiva)