Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

José Ernesto de Sousa

Ernesto de sousa 1 1 600 839
18 Abr 2021

100 anos

Ernesto de Sousa, fotógrafo, cineasta, crítico de arte e iniciador do movimento cineclubista em Portugal, nasceu em Lisboa a 18 de abril de 1921.

Embora seja referenciado sobretudo enquanto artista, crítico e teórico a partir da década de 70, o seu percurso inicia-se bem mais cedo, ainda na década de 40, associado ao movimento neorrealista.

Como crítico de arte iniciou a sua atividade em 1946 na revista Seara Nova e vem a escrever também noutras revistas como Vértice e Colóquio/Letras. Associou-se ao Movimento de Unidade Democrática (MUD), integrando também o MUDJuvenil e foi preso quatro vezes pela PIDE por motivos políticos e culturais.

Foi fundador do ‘Círculo de Cinema’ em 1946, um dos primeiros cineclubes portugueses, e no final da década iniciou a sua atividade cinematográfica, o que o leva a Paris para estudar história do cinema, filmologia e técnicas de som (1949-52).

Publicou vários livros sobre cinema, designadamente O argumento cinematográfico (1956), A realização cinematográfica (1957) e O que é o cinema (1960). Realizou em 1962 o filme Dom Roberto, que recebeu em Cannes os prémios da Jovem Crítica e da Associação do Cinema para a Juventude em 1963.

É autor de vários livros sobre o neorrealismo, designadamente Júlio Pomar (1960), Lima de Freitas (1961) e A pintura portuguesa neo-realista (1965).

A partir da década de 70 desenvolve interesse no experimentalismo e conceptualismo, sendo participante ativo em redes de arte influenciadas pelo movimento Flexus, contribuindo para várias publicações coletivas internacionais. Organizou cursos, conferências e exposições sobre filme experimental, vídeo-arte, performance e happening. Foi curador e participante em inúmeras exposições. Dirigiu a galeria Diferença entre 1978 e 1987. Foi comissário da representação portuguesa na Bienal de Veneza em 1980, 1982 e 1984.

Faleceu a 6 de outubro de 1988,em Lisboa.

Ernesto de Sousa_2 1960

Júlio Pomar, 1960.

 

Ernesto de Sousa_3, 1962

 

Cartaz do filme Dom Roberto, 1962.

 


Fontes
Mariana Pinto dos Santos, Neo-realismo em Ernesto de Sousa: Raízes de um percurso insólito, Nova Síntese — textos e contextos do neo-realismo nº 1 (coor. António Pedro Pita), Campo das Letras, 2006.
https://www.academia.edu/202465/Neo_realismo_em_Ernesto_de_Sousa_Ra%C3%ADzes_de_um_percurso_ins%C3%B3lito
http://www.museuartecontemporanea.gov.pt/pt/artistas/ver/133/artists
http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/acervo/arquivos-particulares/ernesto-de-sousa/