Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

José Carlos de Vasconcelos

[N. Freamunde, 1940]

imagemJosé Carlos de Vasconcelos nasceu em Freamunde, Paços de Ferreira, em 10 de Setembro de 1940.

Estudou no liceu na Póvoa de Varzim, vindo a licenciar-se em Direito pela Universidade de Coimbra. Ainda no liceu, começou a colaborar em jornais locais e a desenvolver actividade associativa. Na Faculdade, foi destacado dirigente associativo, na primeira metade da década de 60, em que os estudantes portugueses tiveram um papel importante na luta contra a ditadura.
Assim, foi, designadamente, presidente da Assembleia Magna da Associação Académica de Coimbra (a maior associação de estudantes do país), pertenceu ao Secretariado Nacional dos Estudantes Portugueses (ilegal), chefe de redacção da “Via Latina”, órgão da Associação Académica de Coimbra. Foi também presidente e fundador do Círculo de Estudos Literários, dirigente e actor no Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra.
Jornalista, escritor e advogado, director do “JL, Jornal de Letras, Artes e Ideias”, e coordenador editorial da revista “Visão”; presidente do Conselho Geral do Sindicato dos Jornalistas e da Assembleia-geral do Clube de Jornalistas; membro do Conselho Geral da Fundação Calouste Gulbenkian e do Conselho de Opinião da RTP.
Também chefiou a redacção da revista cultural “Vértice”, e pertenceu à direcção do Cine-Clube. Foi um dos fundadores da “Projornal” e do semanário “O Jornal”, que durante alguns anos foi o de maior expansão, semanário que dirigiu entre 1977 e 1985, ano em que deixou este cargo para ser candidato a deputado, e colaborou ainda com o “República”.
Suspendeu o jornalismo profissional em 1971, devido à perseguição da censura prévia, e passou a exercer apenas a advocacia, mantendo colaborações em diversos jornais e revistas e com o Sindicato, de que foi árbitro na negociação do último Contrato Colectivo de Trabalho.
José Carlos de Vasconcelos pertenceu também à Comissão de Honra das Comemorações dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil.

Obras:

Corpo de Esperança, 1964;
Liberdade de Imprensa, 1972;
Poemas para a Revolução, 1975;
De Águia a Zebra, 1978;
O Mar A Mar A Póvoa, 2001;
Repórter do Coração, 2004;
Arco, Barco, Berço, Verso, 2005;
Caçador de Pirilampos, 2007.