Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

Manuel Filipe

[N. Condeixa-a-Nova, 1908 – M. Lisboa, 2002]

imagemManuel Filipe traduziu de forma paradigmática o grito de revolta, a subversão, em criação artística. A sua designada “Fase negra” (1943-1945), marcadamente neo-realista, e de inspiração expressionista, do realismo socialista, e dos coevos mexicanos, é uma expressão dramática da temática social e da luta contra a opressão totalitária. Entre o humor ou o satírico e o drama da miséria humana, representa transfiguradamente, através dos traços negros sobre papel branco, os ideais por que pugna, a “tomada de consciência dos homens avisados” e inconformados.
Filho de um trabalhador rural e de uma pequena comerciante, ao mesmo tempo que ajudava o pai nas suas horas livres, no amanho da terra, dava os seus primeiros passos na Arte do Desenho quando ainda vivia em Condeixa. Aí frequentou aulas particulares e posteriormente a escola de artes e ofícios. Vai estudar para Coimbra, para o Curso Misto de Ciências, Letras e Artes, contudo a sua aprendizagem para professor está ligada ao desenho que insistentemente praticava. Terminado o curso vai para Mafra, onde fez o Curso de Oficial Miliciano de Infantaria. A irreverência que o caracterizava, vale-lhe nos primeiros tempos da Ditadura, com mais uma vintena de camaradas de armas, um mês de prisão no Forte da Trafaria.
Foi professor de Desenho no Ensino Liceal na Guarda, em Castelo Branco, em Leiria, no Liceu D João de Castro em Lisboa e no Liceu de Cascais. Na sua carreira pedagógica, aquando das exposições individuais que realizou no Porto e em Braga, e da II Exposição Geral na SNBA, foi ameaçado pela PIDE de que se voltasse a expor seria demitido do cargo de professor. Nessas exposições, as suas obras consideradas de subversivas, foram retiradas, vandalizadas ou, mesmo, a mostra mandada encerrar pelo Governador Civil.
Esta repressão, esta censura por parte do Estado Novo leva-o a abandonar a actividade artística até 1961, data de início de uma segunda, distinta e muito fecunda fase criativa.
Nas próprias palavras de Manuel Filipe podemos encontrar o sentido da sua arte dos meados do século vinte, quando afirma: a pintura neo-realista “deve ser esteticamente bela (…) [mas] tematicamente (…) tratando corajosamente problemas que possam melhorar a condição humana”. Reflexo de um humanismo ansiado, e também concerteza de uma guerra que lavrava no mundo, este artista mostra num expressionismo denso, mas sempre estético, a rudeza desta condição, quando representa figurativamente as mais gritantes injustiças sociais, os infortúnios da pobreza, da servidão e da brutalidade. As personagens que traça são no fundo, sobreviventes, de mãos e pés desconformes, numa desmesura de um olhar sempre aberto, para a consciência ou para um soabrir da esperança.
As suas obras estão no Museu do Chiado, no Museu Francisco Tavares Proença Júnior em Castelo Branco, no Museu José Malhoa, Museu Municipal Santos Rocha na Figueira da Foz, no Museu da Guarda, e na Secretaria de Estado da Cultura.

Exposições Individuais:

1945
- Exposições em Coimbra, Porto, Braga

 

Exposições Colectivas:

1946 - I Exposição Geral de Artes Plásticas, SNBA, Lisboa
- I Exposição da Primavera no Porto, Ateneu Comercial do Porto, Junho 1946

1947 - II Exposição Geral de Artes Plásticas, SNBA, Lisboa