Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

IndieLisboa no Museu do Neo-Realismo

Banner 550 1 600 839
17 a 19 Mai 2019

Dando continuidade à colaboração com o IndieLisboa, o Museu do Neo-Realismo apresenta ao público nos dias 17, 18 e 19 de maio a extensão deste festival no Museu, com a apresentação de três sessões para adultos e uma sessão do IndieJúnior, dirigida ao público infando-juvenil.

O IndieLisboa é um festival de cinema internacional, que oferece ao público português a oportunidade excecional de ver filmes portugueses e estrangeiros de todos os géneros, que não integram, na sua maioria, os chamados circuitos comerciais de distribuição, promovendo a aproximação do universo do cinema contemporâneo do maior número de pessoas‚ públicos especializados e não-especializados, adultos e infanto-juvenis.

  • 17 de maio, 6ª feira, 21h00: Temporada de André Novais Oliveira

Ficção, 2018, 113’
Argumento: André Novais Oliveira
Som: Marcos Lopes, Tiago Bello
Montagem: Gabriel Martins
Com: Grace Passô, Russo Apr, Rejane Faria, Renato Novaes, Juliana Abreu, Hélio Ricardo
Produção: Filmes de Plástico
País: Brasil
Faixa etária: N/A
Sinopse: Juliana acaba de chegar a Belo Horizonte para integrar uma equipa de combate ao mosquito da dengue. Enquanto espera que o marido se junte a ela na nova cidade, Juliana conhece pessoas e faz amigos. Uma viagem tocante pelo quotidiano dos afectos no estilo doce de André Novais Oliveira (regressa ao IndieLisboa depois da longa “Ela Volta na Quinta” e das curtas “Quintal” e “Pouco Mais de Um Mês”). Estreado em Locarno, o filme foi o grande vencedor do Festival de Brasília consagrando o realizador como uma das mais interessantes jovens vozes do cinema brasileiro.

  • 18 de maio, sábado, 11h00: IndieJúnior - Coisas que Acontecem (seis curtas-metragens) para o público infanto-juvenil

A Mahalia Não Pode Apanhar Chuva de Carmine Pierre-Dufour, Emilie Mannering
Ficção, 2018, 11′
Sinopse: Mahalia sente que é diferente das outras meninas da sua turma de ballet e por isso quer esticar o cabelo.

Lar Doce Lar de Chaitane Conversat

Animação, 2018, 13′
Sinopse: Uma velha senhora acumula na sua casa caixas cheias de memórias. Todas as quartas-feiras, com as suas amigas baratas, conta histórias fantásticas à sua neta. Mas quando a menina começa a crescer deixa de haver espaço lá em casa.

Fora da Pista de Camille Jalabert, Léo Brunel, Loris Cavalier, Oscar Mallet
Animação, 2018, 6′
Sinopse: Os dois melhores socorristas da região têm uma nova missão. Mas apesar do seu profissionalismo e determinação, as coisas não vão correr como previsto…

No Baile da Escola de Christian Zetterberg
Ficção, 2018, 6′
Sinopse: Um menino envergonhado tem dificuldade em convidar a pessoa certa para dançar no baile da escola.

O Conto da Pequena Rã de Felicia Bergström
Animação, 2018, 4′
Sinopse: Era uma vez um pequeno, verde e beiçudo sapo, extremamente curioso. Um dia, enquanto caçava moscas, decidiu dar um salto lá para fora e perguntar aos outros animais pelos seus nomes e pelos seus gostos culinários.

A Saia de Adão de Clément Trehin Lalanne
Ficção, 2018, 11′
Sinopse: Um jovem pai faz a vontade ao seu filho e deixa-o levar uma saia para a escola. Após várias reclamações, o pai e a sua ex-mulher têm que lidar com os vários pais indignados.

  • 18 de maio, sábado, 21h00: Bait de Mark Jenkin

Ficção, 2018, 87’
Argumento: Mark Jenkin
Fotografia: Mark Jenkin
Som: Dan Thompson
Montagem: Mark Jenkin
Com: Edward Rowe, Simon Shepherd, Mary Woodvine, Giles King, Chloe Endean, Georgia Ellery, Isaac Woodvine, Jowan Jacobs
Produção: Early Day Films Limited
País: Reino Unido
Faixa etária: N/A
Sinopse: Filmado a preto-e-branco, em película 16mm processada à mão, “Bait” conta a história de uma pequena localidade na Cornualha onde os antigos modos da pesca se vêem progressivamente alterados pela invasão do turismo. O confronto entre dois irmãos desavindos sobre como lutar pelo pão de cada dia forma o centro dramático deste filme expressionista onde o analógico, mais do que opção estética, é modo de vida. Aliás, Mark Jenkin escreveu o manifesto ‘Silent Landscape Dancing Grain 13’ em defesa do «cinema manual». A sua curta “David Bowie Is Dead” está também na Competição Silvestre.

  • 19 de maio, domingo, 17h00: Donzela Guerreira, de Marta Pessoa

Ficção, 2019, 74’
Argumento: Rita Palma
Montagem: Rita Palma
Com: Anabela Brígida (Leading Actress - Emília Monforte), Dina Félix da Costa (Supporting Actress - Entrevistadora Tecnicolor), Joana Bárcia (Supporting Actress - Etelvina)
Produção: Três Vinténs
País: Portugal
M/16
Sinopse: Emília é uma escritora, a viver em Lisboa no ano de 1959. Ela é a Donzela Guerreira, uma mulher ficcional composta a partir dos universos literários de Maria Judite de Carvalho e Irene Lisboa, escritoras da cidade e das personagens que nela habitam. Guiados pela voz e o olhar de Emília, entramos num jogo entre as imagens de arquivo da cidade e a pura efabulação. É uma Lisboa de ruas, jardins e casas onde habitam mulheres que olham para si próprias e umas para as outras, que ocupam os lugares que lhes destinam e o silêncio a que as votam. A história de uma mulher que vai à luta.

Entrada livre, limitada à lotação da sala. O bilhete pode ser levantado no próprio dia na receção do Museu, uma hora antes do início das sessões (2 bilhetes por pessoa).