Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

Encontros e Desencontros com o Neo-Realismo - com Eduardo Lourenço

Encontros e desencontros eduardo louren o 1 600 839
23 Out 2010

imagem

Eduardo Lourenço de Faria nasceu em S. Pedro de Rio Seco, Almeida, em 1923. Ensaísta e crítico literário, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas na Universidade de Coimbra (1946), instituição na qual se manteve, como professor assistente de Filosofia, de 1947 a 1953. Em 1954 saiu do país, passando a leccionar Língua e Cultura Portuguesas, como leitor do governo português, em várias universidades: Hamburgo, Heidelberg, Montpellier. Foi depois regente da cadeira de Filosofia na Universidade da Bahia (1958-59). Voltando a França, tornou-se leitor a cargo do governo francês nas universidades de Grenoble (1960-65) e de Nice, tendo-se fixado nesta última, onde se manteve desde 1969, como maître-assistant e professor associado, até à jubilação (1988).
Na sua vasta obra, encontramos títulos como 'Heterodoxia I' (Coimbra Ed.; 1949), 'Fernando Pessoa Revisitado: Leitura Estruturante do Drama em Gente' (Inova; 1973), 'Tempo e Poesia' (Inova; 1974), 'O Labirinto da Saudade - Psicanálise Mítica do Destino Português' (D. Quixote; 1978), 'O Espelho Imaginário' (Imprensa Nacional; 1981) 'A Europa Desencantada: para uma Mitologia Europeia' (Visão; 1994), 'O Esplendor do Caos' (Gradiva; 1998) ou 'A Nau de Ícaro', seguido de 'Imagem e Miragem da lusofonia' (Gradiva; 1999). A esta obra, pela importância e qualidade literária que se lhe reconhece, têm sido atribuídos variadíssimos prémios, entre os quais se destacam o Prémio Europeu de Ensaio Charles Veillon (Lausanne; 1988) e o Prémio Camões (1996). Recentemente, o autor recebeu o título de Doutor honoris causa pelas universidades Federal do Rio de Janeiro (1995) e Coimbra (1996) e o Prémio da Latinidade (2003). Foi ainda condecorado, pelo governo português, com as ordens de Sant'Iago e Espada (1981), do Infante D. Henrique (1992) e com a Grã Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (2003), e, pelo governo francês, com a Medalha de Mérito Cultural (1996) e o grau de Oficial da Legião de Honra. Em 2003 recebeu a Grã-Cruz da Ordem da Torre e Espada.