Passar para o Conteúdo Principal

logotipo Museu Neorealismo

Vergílio Ferreira

imagem[N. Melo (Gouveia), 1916 – M. Lisboa, 1996]

Escritor.

Licenciou-se em Filologia Clássica na Universidade de Coimbra, em 1940.

Frequentou o Seminário do Fundão, mas concluiu o curso secundário no Liceu da Guarda. Exerceu a docência durante vários anos e em vários pontos do país: Faro, Bragança, Évora e Lisboa.
Na primeira fase da sua carreira de escritor, em particular nos seus três primeiros romances, esteve perto do Neo-Realismo : o romance Onde Tudo Foi Morrendo foi publicado na colecção Novos Prosadores. O romance Mudança, que fez jus ao título, constituiu, não o que se pensou ser uma renovação, então reclamada, do Neo-Realismo, mas um afastamento do Movimento. De 1945 a 1959 colaborou em Vértice.
Enquanto estudante em Coimbra, publicou colaboração em Via Latina, nomeadamente páginas dos seus primeiros livros.

 

Obras:

Romance: O Caminho Fica Longe, 1943; Onde Tudo Foi Morrendo, 1944; Vagão J, 1946; Mudança, 1949; Manhã Submersa, 1953; Aparição, 1959; Cântico Final, 1960; Estrela Polar, 1962; Apelo da Noite, 1963; Alegria Breve; 1965; Nítido Nulo, 1971; Rápida, a Sombra, 1974; Signo Sinal, 1979; Para Sempre, 1983; Até ao Fim, 1987; Em Nome da Terra, 1990; Na Tua Face, 1993;

Contos: A Face Sangrenta, 1953; Apenas Homens, 1972; Contos, 1976;

Ficção(outros): Uma Esplanada Sobre o Mar(contos e poemas), 1986; Cartas a Sandra,1996

Ensaio: Sobre o Humorismo de Eça de Queirós, 1943; Do Mundo Original, 1957; Carta ao Futuro, 1958; Da Fenomenologia a Sartre, 1963; Interrogação ao Destino I Malraux, 1963; Espaço do Invisível I, 1965; Invocação ao Meu Corpo, 1969; Espaço do Invisível II, 1976; Espaço do Invisível III, 1977; Um Escritor Apresenta-se(entrevistas), 1981; Espaço do Invisível IV, 1987; Arte Tempo, 1988

Memórias: Conta-Corrente, I-1980, II-1981, III-1983, IV-1986, V-1987; nova série I-1993, II-1993, III-1994, IV-1994; Pensar, 1992